O Grêmio, a imprensa gaúcha e o ‘pênalti do Agomar’





Quando saí de férias, há uma semana, o Grêmio ainda não havia vencido o Tucuman, alçado por boa parte da mídia gaúcha a adversário assustador, um tigre feroz que logo o Grêmio, por seus atributos, transformou num gatinho. Terminado o jogo, o Tucuman voltou a ser um time mediano, sem tradição, e que o Grêmio nada mais havia feito do que cumprir a obrigação de voltar com a vitória, 2 a 0, encaminhando a classificação.

O comentarista Guerrinha, muito admirado até por gremistas, manteve sua velha cantilena: “Precisa voltar vivo da Argentina”. Ora, esse Grêmio já cansou de mostrar que nunca tem como proposta de jogo seguir essa cultura de buscar um resultado que o mantenha ‘vivo’. É claro que por vezes o resultado almejado não é obtido, mas não por covardia ou estratégia, e sim porque há um adversário do outro lado desse esporte chamado futebol que também

Leia a notícia completa em:

O Grêmio, a imprensa gaúcha e o ‘pênalti do Agomar’